Projecto Educativo

1. INTRODUÇÃO

1.1. CARACTERIZAÇÃO

Sociedade Filarmónica Gualdim Pais

A Sociedade Filarmónica Gualdim Pais é uma instituição fundada em 1877 sedeada na cidade de Tomar. A cidade tem uma população de cerca de 25000 habitantes e é sede de um concelho com 11 freguesias e um pouco mais de 40000 habitantes. A música é a área cultural com maior tradição e qualidade no concelho.

A instituição tem perto de 3000 sócios, tem estatuto de IPSS e de Instituição de Utilidade Pública.

A Sociedade Filarmónica Gualdim Pais tem como origem ser uma associação nascida dentro do movimento associativo popular, característica central que ainda hoje mantém. O Centro de Formação Artística surge a partir da sua Escola tradicional de Banda Filarmónica, como consequência de uma necessidade de qualificar e dar sentido profissional ao trabalho que esta desenvolvia;
Para além do Centro de Formação Artística, a instituição desenvolve múltiplas actividades em vários sectores das actividades, a maioria as quais decorrem no mesmo edifício: Banda Filarmónica, Coro Misto, Ginástica, Judo, Natação, ATL, Creche e Jardim de Infância.

O Centro de Formação Artística está institucionalmente dependente da direção da Sociedade Filarmónica Gualdim Pais.

Do currículo da Sociedade Filarmónica Gualdim Pais consta:
1936 – 1ª Classificada no Concurso de Bandas do Distrito de Santarém;
1969 – 1º Prémio em Bandas de 1ª Categoria na Feira Nacional de Agricultura;
1972 – 1º Prémio no Concurso Nacional de Aprendizes de Música promovido pelo INATEL;
1977 – Medalha de Ouro da Federação Portuguesa das Coletividades de Cultura e Recreio;
1988 – 2ª Classificada no Concurso Internacional de Bandas da Amadora;
1992 – Medalha de Bons Serviços (4ª classe) da federação portuguesa de ginástica;
1995 – 1ª Prémio no Concurso Nacional “À Volta do Coreto” promovido pela RTP;
1996 – Medalha de Ouro da Cidade de Tomar;
2003 – Medalha de Bons Serviços (3ª classe) da federação portuguesa de ginástica;
2009 – Sócio de Mérito da A. P. R.;
2009 – 2ª Classificada no III Certame Internacional, de Bandas de Villa de La Sénia (Tarragona);

Também nas atividades desportivas o trabalho que tem sido feito já proporcionou muitos títulos nacionais, individuais e coletivos e a chamada a seleções nacionais de muitos jovens atletas da Sociedade Filarmónica Gualdim Pais. Obteve-se mesmo um título de Campeã da Europa de Juniores e de Campeão do Mundo (Campeonato Mundial por grupos de idades) na modalidade de trampolins.
 
A comunidade onde o Centro de Formação Artística se insere

Tomar, cidade com cerca de vinte mil habitantes, é a capital política da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo e sede de concelho com 11 freguesias, que se estendem por 352 Km2 com quarenta e três mil habitantes. Foi sede das Ordens Militares do Templo e de Cristo.

A fixação humana deveu-se ao excelente clima, água abundante, fácil comunicação fluvial e excelentes solos. Das sucessivas marcas civilizacionais pré-históricas restam utensílios, grutas, antas, povoados, algumas lápides, moedas, poucas esculturas, peças utilitárias, a toponímia, as rodas de regas e os açudes de estacaria.

Os romanos fundaram a cidade Sellium cuja planta ortogonal, decorre da perpendicularidade dos característicos eixos cardus e decumanus que determinavam a organização urbanística das cidades romanas. Para além das ruínas do Fórum de Sellium, as escavações efetuadas na zona atual Alameda 1 de Março deram conta de vestígios das habitações da época.

Pelos meados do séc. VII, aqui houve conventos de freiras e frades, datando dessa época o episódio visigodo e lendário do martírio de Santa Iria, que deu lugar à lenda de Santa Iria.

Quanto aos árabes pouco se sabe, mas imagina-se muito, como a origem do nome Tomar: “Tamaramá”, doces águas.
Thomar nasce com o castelo (1 de Março de 1160), cuja construção, pela Ordem dos Templários, bem como a da Vila de Baixo, se prolongou por 44 anos.

No séc. XIV, com a permanência do Infante D. Henrique enquanto Administrador da Ordem de Cristo, a Vila beneficia de grande desenvolvimento, sendo urbanizada a zona da Várzea Pequena em arrojada organização ortogonal, em paralelo à corredora e perpendicularmente ao rio.

D. Manuel I concede Foral Novo em 1510 e, nesse século, os arquitetos e pintores Domingos Vieira Serrão, João de Castilho, Olivier de Grand, Fernando Muñoz, Diogo de Arruda, Gregório Lopes, João de Ruão e Diogo Torralva tornam Tomar num importante centro artístico.

No período da dominação filipina, os reis espanhóis investem em Tomar: obras do Claustro Principal do Convento e Aqueduto dos Pegões, bem como a criação da ainda existente Feira de Santa Iria.

Entre os meados do séc. XVII e finais do séc. XIX, verifica-se grande desenvolvimento industrial: Fábrica das Balas do Prado, de Vidros da Matrena, Chapéus e de Fiação e Tecidos e diversas fábricas de papel.

Mais tarde, na sequência da visita da Rainha D. Maria II, Tomar foi elevada à categoria de cidade no ano de 1844, a primeira do distrito de Santarém. Silva Magalhães, primeiro fotógrafo tomarense, abriu em 1862 a “Typographia & Photographia”, deixando fabulosa coleção de fotografias de vistas, retratos e trajes, profissões e cenas da vida diária; o Cinema surgiu seis anos após a sua invenção (17 de Novembro de 1901) no Teatro Nabantino, que daria lugar, em 1923, a novo edifício: o Cine -Teatro Paraíso; a Imprensa nasceu em 1879 com o semanário A Emancipação Angelina Vidal; e em 1901, após Lisboa, Porto, Elvas e Vila Real, Tomar foi servida com energia elétrica a partir da Central instalada no complexo dos antigos Moinhos da Vila. Manuel Mendes Godinho foi um nome incontornável no crescimento económico de Tomar no séc. XX já que, após 1912 veio a criar um núcleo industrial (Moagem, Cerâmicas, Alimentos para Gado, Extração de Platex) de tal importância que atravessou o século e possibilitou a criação de uma casa bancária.

Nos anos cinquenta (21 de Janeiro de 1951) foi inaugurada aquela a que seria a maior barragem hidroeléctrica do país nas cinco décadas seguintes: A Barragem do Castelo de Bode. Ainda em 1950, João dos Santos Simões revelou a Festa dos Tabuleiros dando-lhe notável projeção nacional e internacional.

O séc. XX espalhou a intensa acção cultural que aqui sempre se viveu logo com a criação da União dos Amigos da Ordem de Cristo, em 1918, e, mais tarde, a Comissão de Iniciativa e Turismo, duas instituições para a proteção e divulgação do património.

Em 1983, a UNESCO reconheceu o conjunto Castelo Templário – Convento de Cristo como Património Mundial e no início dos anos noventa deram-se os primeiros passos para a recuperação e consolidação do Centro Histórico.

No séc. XXI, Tomar conta com algumas instituições culturais nascidas no séc. XIX, casos das Bandas da Sociedade Filarmónica Gualdim Pais, Nabantina e Payalvense. Já no séc. XXI a reabertura do Cine -Teatro Paraíso, do Museu de Arte Contemporânea e um grande Complexo Desportivo aquático, reforçam a vocação sócio-cultural de Tomar.

O plano da cidade medieval organiza-se em cruz com os quatro braços apontando os quatro pontos cardeais marcados pelos quatro conventos da cidade. O centro, onde se situam os Passos do Concelho e a Igreja de S. João, é a Praça da República, a partir da qual irradiam os principais edifícios públicos e religiosos: a sul, a Sinagoga, o antigo Hospital da Misericórdia, o convento de S. Francisco e o antigo Rossio da Vila; a norte, as instalações da Assembleia Municipal, as capelas de S. Gregório e da Senhora da Piedade e o antigo Convento da Anunciada; a Oeste, a colina do Castelo, a Ermida da Senhora da Piedade, o Convento de Cristo; a leste, a Ponte, as antigas Moagens e Moinhos da Vila, o Convento de Santa Iria, a saída para a Igreja Matriz de Santa Maria dos Olivais e a zona escolar da cidade, com o Instituto Politécnico de Tomar a finalizar. Perseguindo esta geometria simbólica, é interessante constatar que, com o centro na Igreja Manuelina, à Praça da República, se gere a circunferência que une a Charola do Convento (Oratório Templário) aos Conventos da Anunciada, de Santa Iria e de S. Francisco. Eis assim, o circulo, qual espaço sagrado, dentro do qual se desenvolveu Tomar.

1.2. ENQUADRAMENTO LEGAL DO CENTRO DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA

O Centro de Formação Artística da Sociedade Filarmónica Gualdim Pais tem a sua origem na sua centenária Banda Filarmónica. Na segunda metade da década de oitenta houve uma primeira evolução na estrutura dessa escola ao ser criado, em parceria com o Ministério da Cultura, o centro de Formação de Instrumentistas de Sopro – CFIS – onde eram leccionadas aulas de Clarinete, Trompete, Piano e Formação Musical por professores contratados pelo Ministério. É também por esta altura que se iniciam Cursos Livres de Dança.

Na década de noventa foi, finalmente, concedido alvará pelo Ministério da Educação, para funcionar uma Escola Vocacional de Música e em 2000 para funcionar uma Escola Vocacional de Dança.

Nos termos do nº 5 do artigo 28º do Decreto-Lei nº 553/80, de 21 de Novembro e do Despacho nº 69/SEEI/96, de 22 de Janeiro de 97, foi concedida por despacho do Departamento do Ensino Secundário, Domingos Fernandes, de 14 de Outubro de 96, autorização definitiva de funcionamento, a partir do ano letivo de 1996/97, ao estabelecimento de Ensino Particular do Ensino Especializado da Música denominado de Centro de Formação Artística da Sociedade Filarmónica Gualdim Pais.

A 28 de Julho de 1996, o Centro ficou autorizado a ministrar, em regimes de planos e programas oficiais, ao abrigo da Portaria nº 294/84, de 17 de Maio, os cursos básicos de Clarinete, Flauta Transversal, Piano, Saxofone, Trombone, Trompa, Trompete, Percussão e Violoncelo.

Actualmente, para além dos Cursos de Iniciação à Música e Iniciação à Dança, funcionam os seguintes Cursos:
Curso Básico de Música: Clarinete; Contrabaixo; Fagote; Flauta; Guitarra; Oboé; Percussão; Piano; Saxofone; Trombone; Trompa; Trompete; Tuba; Violino e Violoncelo;
Curso Secundário de Música: Clarinete; Fagote; Flauta; Guitarra; Oboé; Percussão; Piano; Trombone; Trompa; Trompete; Tuba; Violino e Violoncelo;
Curso Básico de Dança.

1.3. O CENTRO DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA DA SOCIEDADE FILARMÓNICA GUALDIM PAIS

Desde o início do funcionamento do Centro de Formação Artística, no âmbito da Música, têm sido privilegiados os cursos de instrumentos de sopro e percussão (instrumentos que integram as Bandas Filarmónicas). Só bastante mais tarde foi aberto o curso de Violoncelo e ainda mais recentemente os cursos de Violino e Contrabaixo.

A Escola Vocacional de Música, no seu percurso, por razões exteriores que condicionaram a evolução de todo o ensino especializado artístico, mas também por razões internas, permitiu que a sua razão de existência – A formação de instrumentistas – fosse sendo completada com a necessidade crescente de oferecer à comunidade uma vertente educativa especialmente a nível do 1º Ciclo do Ensino Básico, onde a Música surge essencialmente como um complemento da formação genérica.

Para tal foram estabelecidos desde sempre parcerias com escolas deste nível de ensino que têm permitido a lecionação das expressões artísticas em regime de coadjuvação e mais recentemente através das Atividades de Enriquecimento Curricular.

Hoje, quando o Ensino Especializado Artístico atravessa um período profundo de instabilidade, e as Escolas Vocacionais de Artes procuraram definir o papel que devem ocupar no sistema educativo português, clarificar as suas finalidades, reforçar a sua identidade e autonomia, é o momento ajustado para, também nós, fazermos as correções necessárias à nossa prática diária de forma a podermos o mais rapidamente possível responder aos novos desafios que se colocam às escolas de artes.

 O Centro de Formação Artística funciona nas instalações da Sociedade Filarmónica Gualdim Pais, dispondo de:
- 15 Salas de Música;
- 2 Estúdios de Dança;
- 1 Auditório;
- 1 Vestiário Masculino;
- 2 Vestiário Feminino;
- Espaço de convívio para alunos;
- 1 Sala de Professores;
- Secretaria e Sala de Direção;
Para além do corpo docente trabalham no centro duas funcionárias Administrativas e três empregadas de limpeza.